a cave

Posted in delírios, poesia by homem da cave on Dezembro 21, 2006







19. No fim não sobra nada

Ah, garra desfeita de minha pata de amante
decepada de rompante na bravura das tuas convulsões;
guerreiro que jaz no altar do celebrante
o medo sepultou-me em sucessivos aluviões.

Atiro-me corpo a corpo como um boxeur moribundo
perto de ti, mas longe dos golpes mais mortíferos.
Sou um alvo de mim próprio, sou um alvo do mundo
tomo via sexo os mais ferozes soporíferos.

Pacifica-me, meu amor, pacifica violentamente
destroça, esmaga, arruína, brilha com arrogância
tiraniza, afaga, disputa-me insensatamente.
Fiquemos roendo molhados lábios, na cama imersos
chupando sexos, cravados de ânsia
e já desfalecendo, penetrando-nos de versos.





Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Ahasvero said, on Dezembro 22, 2006 at 00.00

    Pode ser que o rio siga… chupando sexos… apertada na inútil mão…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: