a cave

Posted in poesia by homem da cave on Janeiro 25, 2008














60.

ao poema
mandei-o para a musa que o pariu

aos adjectivos
(refinei-me)
chamei-lhes iconoclastas

e ao poema, de novo,
mandei-o copular
com a criatura mais desagradável que me ocorreu

aos verbos
(insultando-os)
chamei-lhes expressões

e, logo de seguida,
arrepanhei toda a literatura do universo

e amesquinhei todas as gramáticas

com o desígnio único
singular
de te sugar
de me desdizer
de me deixar levar
apenas pelo cio





8 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Sylvia Helena said, on Janeiro 25, 2008 at 00.00

    Você estupra com as palavras. Amei!

  2. 3vairado said, on Janeiro 27, 2008 at 00.00

    E o poema é bem mandado?
    Pôs-se como un “voyeur”?

  3. matilde said, on Janeiro 27, 2008 at 00.00

    …—…

    (eu às vezes também me sinto farta de poesia, mas nunca das tuas palavras)

  4. Beija-flor said, on Janeiro 29, 2008 at 00.00

    Adorei tropeçar neste lugar…Parabens!:)

  5. ~pi said, on Janeiro 29, 2008 at 00.00

    apetece-me colar o teu poema

    em todos os recantos

    da

    pele

    🙂

  6. rosasiventos said, on Janeiro 30, 2008 at 00.00

    levar

    e não

    voltar

  7. Bé David said, on Fevereiro 26, 2008 at 00.00

    Estou curiosa de mais… vim cá parar não sei como e já não me apetece saír…

    Eu também mandaria muita coisa almofadada para sítios inomináveis…

    Apetece… às vezes 🙂

  8. GILDA CARVALHO said, on Março 3, 2008 at 00.00

    Muito bom!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: